mInis & tRemoços!

Receber actualizações no mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

Dezembro 17 2009

Estamos em época natalícia. As vendas da mini e do tremoço caem em queda. Mas isso agora não é o maior drama. Desde que o Benfica ganhe estamos sempre bem e ninguém se lembra de crises e sismos ou coisas parecidas.

Vejo uma rua de poucos metros com nove mendigos a gritar por dinheiro para comida ou sabe-se lá o quê. Pessoas passam indiferentes, entram e saem das lojas carregadas de sacos, apregoa-se a lotaria do Natal e até se vendem as (caras) castanhas.

O normal nesta altura do ano.

Algo me chama a atenção! Há quase dois anos que todos os dias passo neste local e de vez a quando vejo esta figura carismática que vive alegre dentro das suas condicionantes e indiferente a esta panóplia de acontecimentos fúteis!

 

Falo do Pombo Pulha como o baptizámos, o pombo dos coutos, ou mesmo o pombo sem patas.

É verdade! Num largo onde existem centenas de pombos correio, indiferentes e todos muito semelhantes, há um que se destaca pelas sua pose robusta e brilhante mas... que não tem pernas!

 

Ele voa, ele come, ele no verão chapinha no chafariz, ele "rouba" palhas ao presépio municipal, ele caga nas nossas cabeças, ele gala e faz peito às pombas, faz tudo como qualquer outro pombo, a única diferença é que teve de se adaptar á sua constituição física inacabada ou mutilada em tempos por algum humano mais espertinho, quem sabe!

 

Nas outras alturas do ano nem reparava muito neste pombo, embora saiba que ele ali está, mas há dias ao observá-lo pus-me a pensar: Este pombo é o retrato dos Portugueses nesta época do Natal.

 

Apesar das suas limitações vive como se fosse rei e senhor e faz tudo o que os que não têm limitações fazem.

É claro que aqui não falo de limitações físicas. A analogia que quero passar é que o povo português fala de crise e que isto está mau mas nesta altura esquece tudo isso e que é consumismo e prendinhas...

 

É curioso ir ao domingo a uma grande superfície comercial e não ter lugar para estacionar e estarem dois funcionários em cada caixa por exemplo...

Depois vêm falar em crise... Crise qual crise!!?? Se realmente se soubesse gerir o 13º mês não se viam situações destas. O pessoal controlava-se e não dava uso aos plásticos milagrosos que o deixam endividado o resto do ano...

 

Mas pronto é Natal... e que culpa tem o pombo sem patas afinal? É assim a vida dele, é assim a mentalidade do português!!

 

venham beber minis mas é! ;)

publicado por davidbranco às 15:00

Dezembro 02 2009

Aproveitando estas vagas de feriados, bem como o espírito que advém do S. Martinho, decidi ir provar o vinho (a água pé já era) para manter a alma e o corpo quentinho, ora aí está!

 

O país vai de mal a pior... prisioneiros com penas reduzidas, corrupção ao mais alto nível, guerra entre os clubes que lideram a tabela da liga de futebol. greve dos árbitros da Inatel, escutas telefónicas, a crise, os políticos, tudo graves problemas desta sociedade que cada vez acredito mais que seja do salve-se quem puder (leia-se: salve-se quem for mafioso e corrupto).

 

Para contradizer estes tristes factos, dediquei uns dias à descoberta do mais precioso e belo líquido da natureza, após a cerveja claro, que é o vinho.

Como estou em terra de vinha, vinhos, vinhedos e vindimas, nada melhor que começar pelos santos da casa, que plos vistos até fazem milagres :)

 

Domingo saí aqui da tasca, deixando as minis (quase) de parte por uns dias para me aventurar nas adegas cá da terra... São muitas, eu sei, mas em dois dias consegui ir a duas o que prefaz uma boa média.

 

Na primeira surge um queijinho caseiro, uns jarros de bom tinto (e branco não o provei) e uma lareira acolhedora, uma guitarra, duas gaitas de beiços e uma cana rachadas.... Meia dúzia de rouchinois afinados e lá vai o bailarico armado, do pimba ao fado, passando mesmo pela música erúdita e clássica e ainda dando uma espreitadela na música de revolução de Abril...

Era possivelmente o mais novo na tasca, a julgar pela média de idades que devia de estar nos 50 anos mas gostei bastante e fiquei de voltar para jantar um dia destes, um belo bacalhau assado ou quem sabe uma sopa de ossos.

 

Na terça feira foi dia de ir a outra taberna... provar a azeitona nova, as sandes de azeite e alho com o novo azeite, um bacalhau com nozes e claro está uns valentes malhões de bom tinto da casa, este ainda em pipa de madeira servido em copo de barro.

Fiquei por pouco tempo pois a lareira já estava meio apagada e porque hoje era dia de trabalho mas valeu a pena o breve momento!

 

Daqui a dias tentarei visitar outros destes locais que felizmente ainda abundam aqui na vila e assim provar mais tinto precioso, petiscos e claro, aquecer para proteger do frio que se tem feito sentir. No próximo feriado quem sabe...

 

Juntando o útil ao agradável, anima-se a malta, ajuda-se o comércio local, preservam-se tradições e adquire-se a cultura que as tv's e jornais não passam para fora, para não falar no que se aprende nestes locais sobre o mundo real e as politiquices e fofocas que por aí correm...

Corrupção aqui não há, e quando te perguntam se é branco ou tinto, basta dizer: Cheio!

 

Fica então um "cheirinho" da animação por estas bandas:

 

publicado por davidbranco às 16:11

Receber actualizações no mail

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

dia-a-dia numa tasca virtual que é a imagem do local tipicamente Português: A Tasca (em representação de todas as tascas) onde se come o belo do tremoço a acompanhar a Mine... Assim se vai criticando e olhando a sociedade...
mais sobre mim
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


pesquisar
 
subscrever feeds