mInis & tRemoços!

Março 10 2009

Segundo declarações do presidente da Câmara de Lisboa, esta cidade não pode ser considerada violenta nem perigosa e casos como o das Olais do fim-de-semana passado e do assalto ao BES há uns tempos são meras excepções.

Foram somente casos de policia e não casos que devam dar que pensar aos políticos e cidadãos.

Em nenhum houve consequências severas para os intervenientes ("maus"), deve ter sido como forma de incentivo a mais "excepções" destas.

É uma festa!

Só falta agora dizerem que no Bairro Alto  não se trafica droga, que no Intendente os toxicodependentes não se injectam na rua a meio do dia indiferentes ao olhar dos poucos policias que por lá passam e que na estação de metro de Anjos cheira a mijo 24h por dia...

 

Até em cidades pequenas e mesmo em vilas o clima de violência e descaramento é muito superior ultimamente.

 

Dois exemplos: Ontem mesmo aqui em frente à tasca vi uma moça a ser ameaçada por um velhote e este a agarrá-la com toda a força... Ela gritou mas ninguém fazia nada até que alguém acalmou a coisa.

Indo ainda mais ao promenor, na noite de sábado para domingo entraram no quintal da minha vizinha e roubaram as gaiolas dos pássaros, e os pássaros claro, e ainda umas palmeiras por plantar em vazos...

 

Já não estamos descansados em lado nenhum... E os políticos dizem que não é bem assim e tal. Obrigado eles só saem à rua algum tempo antes das eleições, não andam de transportes públicos e nem vão às Olaias... Muitos menos ao Intendente, a não ser que as esposas lhes faltem e ai pronto sem ninguém ver e tal...

 

Sinceramente...

Estamos a chegar ao primeiro mundo numas coisas (veja-se pelo twitter lol) e ao terceiro mundo noutras (como a violência).

Dá-se a desculpa da crise e do desemprego e ficamos todos felizes da vida... Pensam eles ser assim porque aqui no caso dos frequentadores da tasca as coisas são de forma diferente...

 

Vamos mas é organizar outra excursão (há pessoal que ainda não voltou da anterior mas...), desta vez a Bruxelas pedir clemência e protecção (e algumas couves)  aos poderes europeus já que neste pedaço de terra à Beira Mar o poder está sempre mais interessado em encher algumas carteiras - As suas!

 

25 euritos e enchemos uma camineta da carrêra e bumbas lá vamos nós todos catitas com cascois do Benfica, de Portugal e as nossas marmitas...

publicado por davidbranco às 15:40

Fevereiro 18 2009

Ontem recebi um estudo de Olivier Clerc que é escritor e folósofo que através de uma metáfora conta uma experiência com uma rã mas que muito bem pode ser o que se passa com todos nós.

Passo a explicar:

 

Imagine um apanela cheia de água fria e uma rã a nadar lá dentro,

De seguida é aceso lume por baixo da panela mas a rã nem sente ao início e continua a nadar,

A água vai aquecendo muito lentamente e a rã até se sente cada vez melhor e nada, nada...

A água fica quente mas a rã até gosta

Agora a água está mais quente do que a rã gostaria, sente-se cansada mas isso não a incomoda em nada.

Agora a água está realmente quente, quase a ferver e a rã acha muito desagradável mas já está debilitada, aguenta e não faz nada

A água ferve e a temperatura sobe e a rã acaba simplesmente morta e cozida!


Se a rã tivesse sido lançada directamente para uma panela de água a 50 graus, com um golpe de pernas teria saltado imediatamente da panela e não morria cozida.

 

Com isto Olivier concluí e muito bem que isto mostra que quando uma mudança acontece de um modo suficietemente lento, escapa à consciência e não desperta, na maior parte dos casos, nenhuma reacção, nem um pouco de oposição ou alguma revolta.

 

Também na nossa sociedade ao longo dos anos temos vindo a sofrer uma mudança lenta à qual nos vamos acostumando e acomodando. Algo que chocava bastante há 30 ou 40 anos agora é completamente banal e indiferente. Pelo progresso fazem-se ataques contínuos à liberdade individual, à dignidade, à natureza, à beleza e à alegria de viver.

para o futuro em vez de se tomarem medidas apenas se sensibiliza as pessoas para se prepararem para algumas condições de vida decadentes e draméticas...

 

Sentimos fortes pressões, nomeadamente dos média, que nos saturam o cérebro ficando este sem saber distinguir as coisas...

 

 

Estaremos nós HOJE conscientes ou cozinhados? Precisamos de escolher!

 

Se ainda não estivermos cozidos como a rã vamos é dar o tal salto antes que seja tarde demais!

publicado por davidbranco às 10:31

dia-a-dia numa tasca virtual que é a imagem do local tipicamente Português: A Tasca (em representação de todas as tascas) onde se come o belo do tremoço a acompanhar a Mine... Assim se vai criticando e olhando a sociedade...
mais sobre mim
Maio 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


pesquisar