mInis & tRemoços!

Dezembro 17 2009

Estamos em época natalícia. As vendas da mini e do tremoço caem em queda. Mas isso agora não é o maior drama. Desde que o Benfica ganhe estamos sempre bem e ninguém se lembra de crises e sismos ou coisas parecidas.

Vejo uma rua de poucos metros com nove mendigos a gritar por dinheiro para comida ou sabe-se lá o quê. Pessoas passam indiferentes, entram e saem das lojas carregadas de sacos, apregoa-se a lotaria do Natal e até se vendem as (caras) castanhas.

O normal nesta altura do ano.

Algo me chama a atenção! Há quase dois anos que todos os dias passo neste local e de vez a quando vejo esta figura carismática que vive alegre dentro das suas condicionantes e indiferente a esta panóplia de acontecimentos fúteis!

 

Falo do Pombo Pulha como o baptizámos, o pombo dos coutos, ou mesmo o pombo sem patas.

É verdade! Num largo onde existem centenas de pombos correio, indiferentes e todos muito semelhantes, há um que se destaca pelas sua pose robusta e brilhante mas... que não tem pernas!

 

Ele voa, ele come, ele no verão chapinha no chafariz, ele "rouba" palhas ao presépio municipal, ele caga nas nossas cabeças, ele gala e faz peito às pombas, faz tudo como qualquer outro pombo, a única diferença é que teve de se adaptar á sua constituição física inacabada ou mutilada em tempos por algum humano mais espertinho, quem sabe!

 

Nas outras alturas do ano nem reparava muito neste pombo, embora saiba que ele ali está, mas há dias ao observá-lo pus-me a pensar: Este pombo é o retrato dos Portugueses nesta época do Natal.

 

Apesar das suas limitações vive como se fosse rei e senhor e faz tudo o que os que não têm limitações fazem.

É claro que aqui não falo de limitações físicas. A analogia que quero passar é que o povo português fala de crise e que isto está mau mas nesta altura esquece tudo isso e que é consumismo e prendinhas...

 

É curioso ir ao domingo a uma grande superfície comercial e não ter lugar para estacionar e estarem dois funcionários em cada caixa por exemplo...

Depois vêm falar em crise... Crise qual crise!!?? Se realmente se soubesse gerir o 13º mês não se viam situações destas. O pessoal controlava-se e não dava uso aos plásticos milagrosos que o deixam endividado o resto do ano...

 

Mas pronto é Natal... e que culpa tem o pombo sem patas afinal? É assim a vida dele, é assim a mentalidade do português!!

 

venham beber minis mas é! ;)

publicado por davidbranco às 15:00

Junho 12 2009

Olá, olá,

Após uma breve estadia em bruxelas a tasca e os seus seguidores voltam a terras lusas ainda a tempo de passear e de comemorar o dia de todos nós, o dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

 

Há tempo que via a cidade de Santarém muito agitada devido às preparações para o 10 de Junho, que este ano foi comemorado por cá oficialmente.

Para proveito de todos, ou de muitos, o comércio esteve aberto na sua generalidade mas eu fechei a tasca e andei à coisa de 15 dias a passear e a aproveitar os primeiros sinais de verão que pairam por estas bandas.

 

Final do mês fui descobrir um pouco do centro de Portugal, já que se aproximava o seu dia, nada melhor que conhecer as suas veias e o seu "coração". Foi com este espírito que rumei, com uns amigos, numa tarde quente assim como os bicos do fogão após fazerem uma sopa, até perto de Mação para dar uma espreitadela e algumas mergulhadelas e mergulhanelas na praia fluvial do Carvoeiro.

 

Ah e tal, é a única no ribatejo com bandeira azul... muito bem, mas ir lá dia 31 quando a época balnear começa a dia 1 do mês seguinte é como ir ao estádio da luz no dia que o benfica joga fora.

Enfim vimos algumas (poucas) pessoas um quato ao tanto estranhas. 

Perguntámos a um rapaz que estava a urinar na berma ao som terrívelmente alto de Tony Carreira umas indicações e não é que ele apaenas nos manda subir toda a avenida. Ao fim ao cabo a avenida era uma rua com 10 de comprido por 1.50 metros de largo, em calçada e com palha e bosta de carneiro em que mal cabia um carro, quanto mais 2... Foi uma aventura... o raça da praia está escondidad como tudo.

 

Mas o pior estava para vir...

De 6 a 14 de Junho é a Feira Nacional de Agricultura, aqui mesmo em Santarém.

Como ribatejano e como não podia deixar de ser, eu lá batido sempre que possível, e às vezes mesmo já quando é impossível :)

 

Assim tenho andado a fazer jus ao nome da tasca, sempre acompanhado de minis e imperiais, tremoços, amendoins e afins, esbarrando por vezes para o fruto da parreira que também sabe bem...

Dia 6 foi os Deolinda... grande concerto, muita animação e o primeiro aviso figadal... nada de mais... rotina apenas.

Domingo repuz forças e descansei. Aproveitei para abir a tasca e ligar aos nossos correspondentes. Um nas urnas de voto locais e outro em bruxelas a ver o andamento da coisa e a ver quem ganhava o taxo maior na europa...

Levámos um panelão de uma arroba cheio de tremoços mas mesmo assim não nos calhou nada.

Ainda mandei um MMS mas nem assim... dos que lá vão sentar a cagueira todos pensam assim no seu intímo: - mais uma cambada de zés povinhos que enganei... vou ficar rico à pala dos otários...

Enfim uma vergonha os políticos e o Cristiano Ronaldo ganharem assim tanto...

 

Este por sua vez ganha tanto num intervalo de um jogo como eu num mês de trabalho... Não lhe desejo mal mas havia de vir um bando de travéstis espanhois famintos e sedosos com tubos de acrílico e ambsters no rabo e em chamas e gamarem-lhe a guita toda que ele ganhar nos intervalos dos jogos...

 

Já agora o Cri Cri, se leres isto, não te esqueças de mandar o cheque da tua nova amiga Hilton que ela veio cá uma vez pedir 8 minis fiadas e até agora nada...

 

Voltando à feira da agricultura... Segunda feira não permaneci no recinto e vim antes às festas paralelas às comemorações do dia de Portugal junto à praça de touros de Santarém. Um concerto de João Pedro Pais como sempre a apelar para o não às drogas e para o pessoal se deixar de merdas. Ora aqui está uma boa atitude não acham?

 

Terça feira outra desgraça... Véspera de feriado e Santarém a ser invadida por 40 000 pessoas só para ouvir e ver Tony Carreira. Isto sem contar com os carteiristas e arrumadores de carro.

Queria uma pessoa ir para a pulharia para a feira e estava tudo parado. Após 1km a pé e uma hora de fila para entrar no recinto, lá consegui beber uma mini gelada e para mal dos meus pecados ouvir quase metade do concerto que felizmente foi bem curto para tristeza de muitas fãs em euforia e do senhor que à minha frente gritava e chorava, tirando fotos e dizendo "Tony és o máior". Enfim panisquices...

 

O resto da noite pouco me lembro, só de estar na tenda electrónica até tarde e de beber muita cerveja ah e ver as largadas de toiros claro.

 

Neste dia à tarde já tinha vivido uma situação caricata ao ter de sair do trabalho 15 minutos antes pois aqui ao lado está uma exposição com o tesouro (parte dele) da república Portuguesa e pronto os seguranças são assim meio desconfiados...

 

Ora e eis que chega o momento alto da semana - o dia 10 de Junho e essas comemorações todas que queria ter assistido mas a minha almofada falou (bem) mais alto.

No dia antes já tinha visto o senhor Cavaco aqui a 2 metros do trabalho na porta ao lado por isso n~eo era para o ver a ele mas sim às (poucas) mulheres tropas boas e às filhas dos diplomatas ou netas que alguns já têm mais de 80 anos...

 

Não vi nada disso, não perdi nada, festejei Portugal a dormir que é como este país anda sempre.

De tarde eu, juntamente com mais 11999 pessoas, fui ver a corrida à Portuguesa do Correio da Manhã, na praça de toureos de Santarém.

Antes fui ver as exposições (civis e militares) do 10 de Junho e depois entrei mais cedo para a praça, tava com medo que se acabassem as latas de cerveja.

Vi porrada nas bancadas com força, vi touros, cavalos, vacas, acrobacias de touros a saltar para as trincheiras, gajas anoréticas, velhos irritantes, etc...

Foi uma entrada para o jantar que vinha a seguir com o pessoal da escola.

Mas aqui traíram-me e só havia sangria... tive de me sujeitar...

 

Mais uma ida para a feira, voltei novamente à cerveja, vi mas não gostei muito do concerto de Rita Red Shoes, vi a largada e um senhor a ser largado até ao hospital, vi mais dois concertos que gostei mais que o da Rita e depois vim embora porque estava à boleia (e ainda bem senão ainda agora estava à procura do resto do fígado).

 

Ontem fui um caseiro e fiquei na tasta a estrear as caracoladas à antiga a tarde toda. Há noite pus-me ao fresco à porta da tasca.

 

Hoje estou sem planos, mas para onde quer que vá as mInis & os tRemoços estarão presentes oh pois tá claro, tas a ver ou não?

 

Então e vocês como se prepararam e passaram o dia de Portugal?

Contem aqui como foi vá!

publicado por davidbranco às 17:26

dia-a-dia numa tasca virtual que é a imagem do local tipicamente Português: A Tasca (em representação de todas as tascas) onde se come o belo do tremoço a acompanhar a Mine... Assim se vai criticando e olhando a sociedade...
mais sobre mim
Maio 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


pesquisar